BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 170 ]
52% 52% [ 181 ]

Total dos votos : 351

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Dezembro 2014
SegTerQuaQuiSexSabDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




LIBERDADE INDIVIDUAL OU COLECTIVA?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

18062012

Mensagem 

LIBERDADE INDIVIDUAL OU COLECTIVA?




LIBERDADE INDIVIDUAL OU COLECTIVA?

Quando andava na faculdade, bem sei ter sido já no século passado, corriam os anos 80, gracejava-se dizendo que em Direito havia sempre três teorias: teoria do Sim, do Não e do Talvez. Podíamos aderir a qualquer uma delas desde que devidamente fundamentada e acerrimamente defendida.
Como em qualquer curso, a teoria é necessária mas é a prática que nos ensina tudo o que não aprendemos numa sala de aula. E é as mais das vezes esta prática que falta ao legislador quando se senta à secretária a redigir um novo diploma legal resultando por isso num emaranhar de regras e normas pouco claras e sobretudo contraditórias entre si. Estas leis produzidas em gabinete levam seguidamente a grandes discussões teóricas dado a sua difícil aplicação pelos agentes judiciários, já para não falar no facto de cada vez mais limitarem as liberdades individuais em nome do colectivo, como é apanágio de qualquer ditadura, justificando os actos normativos de duvidosa legalidade recorrendo a princípios como a segurança, a saúde, o ambiente ou a crise económica. Contudo, a triste verdade é que a insegurança é cada vez maior, a criminalidade violenta disparou exponencialmente, o acesso à saúde mais limitado, o ambiente mais poluído e à crise económica não se lhe vislumbra o fim.
No entanto, o maior perigo imediato de termos um legislador que não conhece o dia-a-dia nem nunca lidou com a prática do Direito reside sobretudo nas injustiças decorrentes da aplicação das normas porque são passíveis de entendimento contraditório por quem as aplica, ou seja, os tribunais.
Logo, e em matéria das contra-ordenações rodoviárias, se tiver sorte e o recurso baseado em questões de Direito for calhar no Juízo X, é absolvido; se for parar à porta ao lado, ao Juízo Y, é condenado. Um dos exemplos flagrantes é a prescrição do processo! Nem o Supremo Tribunal se entende. Uma secção defende que o prazo prescricional é de dois anos (e, a meu ver, bem) conforme estipula o art.º 188.º do Código da Estrada e outra alega ser três anos e seis meses porquanto além do prazo previsto no Código da Estrada se aplica ainda as interrupções e suspensões previstas na Lei Geral das Contra-Ordenações. Sem entrar aqui em detalhes e muito sumariamente diga-se que a primeira tese apoia-se no individual (é sempre de aplicar a lei mais favorável ao arguido) e a segunda no colectivo, aqui visto como a unidade do sistema jurídico.
Eu sou a favor da liberdade individual, seguindo a velha máxima de que a minha liberdade acaba onde começa a do outro, sou a favor de sacrificar a unidade do sistema jurídico a bem do individuo. Até porque este mesmo sistema jurídico e o legislador não têm qualquer pejo em sacrificar-nos se servir os seus propósitos. Exemplos recentes e por demais conhecidos de todos centram-se nos cortes salariais e dos subsídios de férias e natal, nas prestações de desemprego e reforma, entre outros, cujas leis violaram até a Constituição, o pilar de todo o sistema jurídico português, sem se preocuparem com a tal unidade do sistema jurídico. É que este, na grande maioria dos caos, molda-se consoante os interesses do colectivo, ou melhor dizendo, dos interesses colegiais, isto é de quem governa e dita as leis.

Teresa Lume, advogada e consultora jurídica da AutoMotor

http://www.automotor.xl.pt/Not%C3%ADcias/DetalheNoticia/tabid/118/itemId/11925/Default.aspx



BTBRAVO
2º COMANDANTE
 2º COMANDANTE

PAÍS:
MENSAGENS: 6247
LOCALIZAÇÃO: Lisboa
EMPREGO: BRIGADA DE TRÂNSITO
INSCRIÇÃO: 05/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum